Apolinho e Penido recordam o gol de Pet: “E acaba de chegar São Judas Tadeu”

Um dos gols mais emblemáticos da história do futebol carioca completa 20 anos nesta quinta-feira, 27 de maio. Em 2001, uma falta assinalada por Petckovic deu ao Flamengo mais um tricampeonato carioca para sua sala de troféus.

Um dos registros mais tocantes feito pela imprensa na ocasião aconteceu na Rádio Tupi. Luiz Penido narrava o jogo e, segundos antes de Pet bater a falta, chamou Apolinho, comentarista do jogo, que proferiu um comentário:

“E acaba de chegar São Judas Tadeu”, disse o radialista, reto e direto. No momento seguinte, o gol sai e o lado rubro-negro do Maracanã explode de alegria.

O Audiência Carioca conversou com Washington Rodrigues, o Apolinho, e com Luiz Penido, atualmente na Rádio Globo, para recordar esse momento, um dos mais lembrados do rádio esportivo carioca:

“Rapaz, esse jogo foi inacreditável. Um acontecimento que entrou para a história. Não só o gol entrou para a história, sobretudo marcado de forma indelével no coração da nação rubro-negra. Como também por vários motivos, por torcer pelo time [Flamengo], ver meu time mais uma vez tricampeão”, comentou Apolinho.

APOLINHO: “TIVE REALMENTE O PRESSENTIMENTO QUE A BOLA ENTRARIA”

“Foi na verdade uma visão, uma coisa inacreditável, porque o jogo caminhava para o fim. O resultado não era favorável ao Flamengo, que precisava de mais um gol. O Pet vinha errando as tentativas que vinha fazendo. Ele era um exímio cobrador de faltas, um jogador que tinha um toque de bola… Mas ele não estava feliz naquele dia, nos chutes. Aquela bola seria a bola do jogo. O Penido[Luiz Penido] transmitiu o jogo pela Rádio Tupi, e quando ele se preparou para cobrar a falta, o Penido me chamou, e eu tive realmente o pressentimento que a bola entraria”, explicou.

Vinte anos após o lance, Apolinho avalia que caso a bola de Petckovic não entrasse, o comentário poderia queimá-lo com os torcedores cruzmaltinos.

“Uma premonição, na verdade. Eu disse: ‘Acaba de chegar no Maracanã, São Judas Tadeu‘. Isso poderia me queimar com a torcida do Vasco, que compreendeu. Se a bola não entra, iam dizer: ‘Ah, estava secando!’. Mas a bola, felizmente, entrou. Flamengo foi tricampeão. Explodiu de alegria a torcida do Flamengo. Naquele momento, quem estava vibrando no Maracanã era a torcida do Vasco. Naquele momento, o Vasco era o campeão”, avaliou.

Após duas décadas do comentário histórico, Apolinho contou que até hoje recebe o áudio com a narração do gol enviado pela torcida rubro-negra:

“Vários torcedores do Flamengo até hoje me mandam gravações do lance. Eu recebo todo dia. Hoje, então, recebi uma série delas. Gente de todo lado, mandando pra mim a gravação na voz do Penido, com essa minha pequena intervenção, adivinhando o que ia acontecer. Realmente, foi uma coincidência. Alguma coisa me dizia que aquela bola iria entrar. Se o goleiro Helton, do Vasco, não tivesse cortado a unha, com certeza não seria gol”, brincou.

PENIDO: “UM DOS GOLS MAIS IMPORTANTES DA MINHA CARREIRA”

Luiz Penido recordou como foram os momentos que antecederam a cobrança de falta e a visão que tinha aos 43 minutos do segundo tempo, quando o Flamengo tinha a oportunidade de bola parada.

“Foi surreal o que aconteceu naquele gol. Já eram 43 minutos, quando Edilson sofreu a falta e o árbitro ficou na dúvida: marca ou não marca. O Flamengo tinha levado vantagem no lance, o Léo Feldman [árbitro] podia deixar o jogo seguir. Ele deu uma pensada e decidiu marcar. Aí vem aquele negócio, o ‘feeling’. Eu olhei pro relógio e vi o tempo do jogo. A torcida do Vasco já gritava: ‘É campeão’. Quando eu olhei o tempo, me ocorreu que era, talvez, a última chance do Flamengo. Porque o Vasco estava começando a fazer cera, porque estava sendo campeão, já que fez a vantagem no primeiro jogo [Vasco 2 x 1, no jogo de ida]”, disse.

Ao lado de Apolinho na cabine do Maracanã, Penido revelou que recebeu uma cutucada do comentarista, momentos antes da cobrança da falta e que aquilo mexeu com a sua expectativa.

“Eu chamei o Apolinho e falei que se o Flamengo fizer, o Vasco vai ficar sem tempo de reação. O Apolinho, com aquela sensibilidade que só ele tem, esse gênio!… Ele diz: ‘Acaba de chegar São Judas Tadeu‘. Foi o resumo de tudo. Só tem essa chance, e o padroeiro chegou. Ficou uma atmosfera, uma expectativa, uma premonição… Quando eu fiz a pergunta e ele deu a resposta, eu senti uma coisa diferente. Eu não sei traduzir isso, porque só dá pra saber sentindo… Eu fiquei com a expectativa tão grande no lance, achando que poderia acontecer alguma coisa. Ele [Apolinho] me deu uma cutucada, que aumentou essa minha expectativa. Quando o Pet bateu, eu sequer gritei gol direto. Eu falei ‘Bateu, guardou! É campeão, é campeão!’. E olha que ainda faltavam dois minutos. Mas o tipo de jogo e a dinâmica, indicava que, saindo o gol, era fim de linha. O Flamengo levou um minuto e meio para comemorar… Foi surreal! “, detalhou.

Mesmo há nove anos longe do microfone da Tupi, Penido guarda com carinho do momento e classifica essa narração, com a contribuição do comentário de Apolinho, como um dos mais importantes de sua carreira:

“Um dos maiores gols da história do Maracanã. Um dos maiores gols do Flamengo. O gol mais importante da carreira do Pet. E um dos gols mais importantes da minha carreira, também. Um gol com a participação do Apolinho, a gente teve essa marca. De todas as narrações, a torcida do Flamengo escolheu, historicamente, pelo número de acessos, por tudo. A torcida do Flamengo escolheu essa narração desse gol como sendo a mais empolgante, a mais vibrante, a mais contagiante e com maior carga de emoção. Realmente, foi uma coisa fora do comum”, finalizou.

A narração e o momento do gol na voz de Luiz Penido, com comentários de Washington Rodrigues, podem ser vista e ouvida abaixo.

GOOGLE NOTÍCIAS: SIGA NOSSA PÁGINA E RECEBA AS INFORMAÇÕES DO AUDIÊNCIA CARIOCA

Imagem: Reprodução Internet / Montagem

Advertisement