‘Covidão do Copa’: Festa reúne famosos e aglomeração dentro e fora do hotel

Uma festa realizada na noite desta sexta-feira (14) no salão nobre do Copacabana Palace está gerando uma grande polêmica nas redes sociais. A comemoração varou até a madrugada deste sábado (15).

Diversos flagras nas redes sociais apontaram aglomeração e mostraram presentes sem máscara. Informações preliminares dão conta que a festa pertencia a um grande bicheiro do Rio e que os celulares estavam proibidos. Entretanto, diversos registros ocorreram no local.

A organização do evento foi de Carol Sampaio, uma das mais importantes promoters da cidade, e que vem sendo criticada nas redes sociais.

Ainda houve tempo para apresentações luxuosas de grandes nomes da música no Brasil, como Gusttavo Lima, Ludmilla e Alexandre Pires.

A expectativa é que até 500 pessoas tenham ido ao local. O portal Metrópoles flagrou diversas pessoas juntas, sem um visível distanciamento social necessário, aguardando a entrada no hotel. A equipe do portal identificou a chegada do cantor Mumuzinho ao local, como um dos convidados.

PREFEITURA NÃO VIU NADA DEMAIS

O detalhe é que a entrada para este tipo de festa no Copacabana Palace tradicionalmente ocorre pela porta principal, na avenida Atlântica. Entretanto, os convidados tiveram que entrar pela av. Nossa Senhora de Copacabana, nos fundos do hotel, buscando a discrição. O local em nada lembra a luxuosa portaria do Copa e conta até com um ponto de ônibus a poucos metros.

Fiscais da vigilância sanitária, sob o comando da Prefeitura do Rio, foram até o local e disseram não ter encontrado irregularidades no evento.

Ao G1, o Copacabana Palace se defendeu: “O hotel reforça para seus contratantes externos que o comprometimento com as recomendações das autoridades é um pré-requisito para que os eventos aconteçam. Adotamos um protocolo de prevenção e combate à Covid-19 de acordo com as regras vigentes, de modo que a saúde e segurança de hóspedes, funcionários e clientes são nossa maior prioridade”.

Vale lembrar que festas não comerciais, onde não são vendidas entradas, estão permitidas no Rio desde que cumpram as seguintes medidas: uso de máscara, adequada higienização, vedação de filas e aglomerações na entrada e na saída, distanciamento social mínimo de 1,5m e lotação máxima de 40% locais fechados ou 60% para locais abertos.

Em um vídeo obtido com exclusividade pela jornalista Fábia Oliveira, de O Dia, é possível ver que parte destas condições não foram obedecidas.

GOOGLE NOTÍCIAS: SIGA NOSSA PÁGINA E RECEBA AS INFORMAÇÕES DO AUDIÊNCIA CARIOCA

Imagem: Reprodução Internet

Advertisement