Déa Lúcia sobre Paulo Gustavo: “Só posso definir meu filho com a palavra amor”

O dia das mães foi marcado por emoção para Déa Lúcia, mãe do ator Paulo Gustavo, falecido após complicações da covid-19 na última terça-feira, 4 de maio.

Em entrevista ao Fantástico, Déa se emocionou e se mostrou forte diante do luto que vive a família. Além da matriarca, que foi a base para a construção do personagem Dona Hermína, participaram ainda Júlio, pai do ator, Juliana Amaral, irmã, e Penha, madrasta.

Déa contou que Paulo Gustavo morreu no mesmo dia que estreou como ator: “Ele estreou no dia 4 de maio às 9 horas da noite e morreu no dia 4 de maio às 9h12 da noite. Ele começou um ciclo e terminou um ciclo. É incrível”, disse.

No dia da morte de Paulo, a imprensa flagrou membros da família do humorista emocionados na recepção do Hospital Copa Star, na zona sul do Rio. Déa contou que a família foi chamada após ter sido constatada a morte cerebral.

“A gente foi chamado no hospital porque ele teve morte cerebral. E nós quatro, Juju, Júlio, eu e Penha, ficamos ali. Juliana com uma mãozinha dele, eu na outra. O Thales no pé e o Júlio fazendo carinho na cabeça. Eu chamei Penha, vem cá Penha, segura aqui comigo porque você também participou da vida dele”, contou Déa.

Júlio contou que conforme todos faziam a Oração de São Francisco, a preferida de Paulo, os batimentos dele iam caindo até falecer.

Déa ressaltou sobre a importância da família ter dado apoio a Paulo em suas escolhas. “Eu fico triste, eu estou triste, muito triste. Meu filho deixou um exemplo maravilhoso contra o preconceito. Meu filho casou, meu filho formou família. Meu filho constituiu tudo. Tenho dois netos maravilhosos. Mas isso porque ele teve uma família, deu amor a ele”.

“Durante um ano, a gente viajando o país até as crianças nascerem, eu terminava o espetáculo falando que a homofobia era crime e que a corrupção mata. E roubar na pandemia é assassinato. Eu chorei com cada mãe, e choro, e vou continuar chorando. Mas essa luta vai ser minha… Na pandemia cada morte de um filho eu chorava por essa mãe sem saber que meu filho ia passar por isso”

Déa Lúcias

Por fim, Déa definiu o filho com a palavra amor: “Eu só posso definir meu filho com a palavra amor. Ele acordava preocupado com a família”.

GLOBO PRÓXIMA DE PROMOVER MUDANÇAS EM SEU JORNALISMO

GOOGLE NOTÍCIAS: SIGA NOSSA PÁGINA E RECEBA AS INFORMAÇÕES DO AUDIÊNCIA CARIOCA!

Imagem: Reprodução TV

Advertisement