ABI e Anistia Internacional cobram respostas após intimidação ao Voz das Comunidades

A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) emitiu uma nota nesta quinta-feira (14) onde pede punição, após a denúncia feita por membros do Voz das Comunidades contra policiais militares. O mesmo aconteceu com a Anistia Internacional, que exige uma investigação sobre a acusação classificada como “intimidação do trabalho da imprensa”.

Na última quarta-feira (13), o repórter Renato Moura cobria uma ação policial e teve seu celular apreendido e quebrado por PMs. O jornalista tentou registrar o caso na 21ª DP, em Bonsucesso, mas acabou tendo que formalizar a queixa na 22ª DP, na Penha. Rene Silva, idealizador do ‘Vozes’, acompanhou o caso.

“URGENTE. Renato Moura acompanhava a incursão policial, até que os policiais o revistaram e quebraram o seu celular. Eles falaram que ‘o Voz só fala mal da polícia para ganhar fama’. Estamos a caminho da delegacia”, escreveu o site no Twitter

Em comunicado, a PM afirmou que a gravação representou uma ameaça aos policiais e por isso apreendeu o aparelho.

“Saindo da localidade, houve discussão com integrantes do Voz das Comunidades que iriam expor a face dos policiais que atuaram na ocorrência. Isso representou uma ameaça para os agentes, que apreenderam o celular que fazia a filmagem”, tentou justificar o órgão.

ABI ENVIA CARTA AO GOVERNO DO RJ

A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) classificou o comportamento dos agentes policiais como arbitrário:

“… Desta vez, os policiais militares afrontaram o direito constitucional das liberdades de expressão e de imprensa, bem como cometeram a ilegalidade de quebrar e apreender o celular de uma equipe do ‘Voz das Comunidades’, um importante veículo de comunicação de moradores de favelas do Rio”, disse parte do comunicado enviado ao governador em exercício, Cláudio Castro.

O órgão solicita a punição dos “transgressores”, a indenização do celular danificado à equipe do ‘Vozes’ e adoção de uma campanha interna sobre a importância da liberdade de imprensa. Confira a nota da ABI na íntegra.

Imagem: Reprodução ABI

A Anistia Internacional também emitiu comunicado em seu site, onde classifica o ato como “intimidação”.

ANISTIA INTERNACIONAL EXIGE INVESTIGAÇÃO SOBRE INTIMIDAÇÃO DE JORNALISTAS NO COMPLEXO DO ALEMÃO

“A tentativa de intimidação de integrantes do jornal Voz das Comunidades na manhã de quarta-feira, 13 de janeiro, no Complexo do Alemão é inadmissível. Não há amparo legal para a apreensão de celular de nenhum cidadão, por parte da polícia, sobretudo no exercício do jornalismo produzido pelos moradores do conjunto de favelas do Rio de Janeiro.

A Constituição Federal de 1988 aponta em seu artigo 5 que é livre a expressão de comunicação, artística e intelectual, independentemente de censura ou licença.

A Anistia Internacional exige imediatamente que o governador em exercício Claudio Castro e Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro apurem o caso, bem como a nota emitida por meio do Twitter em que a Polícia Militar do Rio de Janeiro justifica a apreensão do celular do jornal.”, diz o comunicado da Anistia.

VEJA MAIS:

GOOGLE NOTÍCIAS: SIGA NOSSA PÁGINA E RECEBA AS INFORMAÇÕES DO AUDIÊNCIA CARIOCA!

Imagem: Reprodução Twitter

Advertisement