Recém-chegado na TV Brasil, Rodrigo Campos fala sobre seleção e a Série D

Além da transmissão exclusiva do jogo Peru 2 x 4 Brasil, na última terça-feira (13), a TV Brasil trouxe à sua programação a transmissão exclusiva da Série D do Brasileirão. A emissora buscou no mercado dois nomes importantes do rádio carioca para reforçar a sua equipe esportiva: Rodrigo Campos e André Marques.

O Audiência Carioca bateu um papo com Rodrigo Campos, que na próxima segunda-feira (19), às 15h, Brasiliense x Vila Nova. Multifuncional, já que atuará narrando, comentando e reportando, Rodrigo conta como foi encarar essa nova oportunidade na EBC.

GOOGLE NOTÍCIAS: SIGA NOSSA PÁGINA E RECEBA AS INFORMAÇÕES DO AUDIÊNCIA CARIOCA!

“Foi um grande presente que eu recebi, narrar a série D. Eu acompanho todas as séries, sempre. Porque eu vejo que com essa asfixia financeira, que quase todos os clubes estão passando, poucos são os clubes que têm dinheiro para contratar bons jogadores, a Série D mostra grandes jogadores. Eu vi jogadores que têm vaga, com potencial, em time de série A e B. Além disso, o fato de fazer transmissão de equipes tradicionais, clubes que já brigaram na Copa do Brasil, já brilharam na série A do Brasileiro, estádios emblemáticos, com história no futebol”, contou Rodrigo, que estará em programas esportivos na TV Brasil e na Rádio Nacional.

Na última terça-feira (13), Rodrigo atuou nos comentários do jogo da seleção na TV Brasil. O jornalista revelou detalhes de como ocorreram os preparativos para a jornada esportiva, confirmada a menos de duas horas do apito inicial em Lima.

“A coisa só ficou definida mesmo, a transmissão, poucos momentos antes da bola rolar. Mas a gente [a equipe] já tinha conhecimento do interesse da EBC, da possibilidade, e começamos a nos preparar… Na realidade, a gente precisa estar sempre antenado a tudo, seleção brasileira é um assunto que vai sempre interessar. Esse preparo já era tranquilo, porque íamos falar sobre seleção, transmitindo ou não, no programa daquele dia [13/10]. Isso é absolutamente comum. O preparo emocional que foi o mais legal de todos. A gente acabou de chegar na emissora e, de repente, ter a oportunidade de transmitir um jogo da seleção brasileira e com exclusividade, é uma coisa que aumentou muito a responsabilidade…”.

Tratado com produto fixo da grade da Globo, a exibição dos jogos da seleção brasileira sempre é visto como algo curioso entre os telespectadores. Oportunidade rara na carreira de qualquer jornalista, Rodrigo revela que ocupar este espaço consolidado só fez a responsabilidade aumentar.

“Isso está no pacote que eu te falei do emocional. Durante muitos anos, o torcedor, acostumado a ouvir a mesma equipe, a mesma emissora e tem esse hábito. Uma baita equipe! De repente, você assumir a responsabilidade de fazer uma transmissão assim, é uma coisa que você fique com a exata noção da coisa e da proporção. A responsabilidade vai aumentando. Quando a responsabilidade aumenta, aumenta também aquela adrenalina bacana de você querer fazer da melhor forma possível. E foi o que aconteceu…”.

A transmissão da TV Brasil foi um dos assuntos mais comentados nas redes sociais. Entre críticas e elogios, as referências ao Governo Federal e ao Presidente Jair Bolsonaro mexeram com o público. Mesmo assim, o jornalista encarou com positividade a repercussão.

“O saldo foi o mais positivo possível. A gente tem recebido elogios de todas as partes. Claro, críticas vão acontecer, faz parte, em todas as transmissões, em todas as emissoras, a gente ouve elogios e ouve críticas. Que bom que a grande maioria elogiou muito a transmissão. Confesso que, até me emocionei, com com a resposta do público. Uma injeção de ânimo muito grande”.

Com passagens pelo rádio, pelo impresso e, agora, na televisão, o Audiência Carioca pediu a Rodrigo Campos fazer um balanço na carreira e sobre essa nova oportunidade.

“Quando eu abri o microfone pela primeira vez como profissional da equipe da EBC, eu me senti da mesma forma que eu me senti quando tinha 20 anos, quando fiz um teste na rádio AM O Dia. Esse mesmo frio na barriga. Isso é sinal de que tem muita coisa boa para acontecer e muitos desafios para encarar. Eu estou muito feliz com o ambiente que eu encontrei na EBC. Pessoas que você liga na TV e vê que são competentes… Uma equipe muito unida, com o objetivo do crescimento coletivo… Quero agradecer à toda a equipe, sem exceções, em especial ao Sérgio du Bocage, que foi um cara que me incentivou muito”, finalizou.

GOOGLE NOTÍCIAS: SIGA NOSSA PÁGINA E RECEBA AS INFORMAÇÕES DO AUDIÊNCIA CARIOCA!

Imagem: Reprodução TV