Flagrada pelo Fantástico, mulher que aparece ofendendo fiscal no Rio em aglomeração é demitida

Nada fica impune sobre os olhares da internet. A mulher que apareceu no Fantástico do último domingo (6) tentando humilhar um fiscal que evitava aglomeração no Rio acabou sendo demitida.

O caso aconteceu na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade. Flávio Graça, superintendente de Inovação, Pesquisa e Educação em Vigilância Sanitária, Fiscalização e Controle de Zoonoses da Prefeitura do Rio de Janeiro, foi ofendido por um casal durante uma ação.

“Cidadão não, engenheiro civil, formado, melhor do que você”, disparou a mulher não identificada. Ela estava acompanhada de um homem, ambos sem máscaras.

A mulher era funcionária da Taesa, empresa privada voltada à produção de energia. A organização reprovou o ato da colaboradora e decidiu demiti-la após seu rosto ganhar projeção em rede nacional, na Globo.

NOTA DE POSICIONAMENTO OFICIAL

A TAESA é uma companhia comprometida com a segurança e a saúde não apenas de seus empregados, mas também com o bem-estar de toda a sociedade. Desde o início da pandemia da Covid-19, a Taesa implementou inúmeras iniciativas para proteger a saúde de seus profissionais e seus familiares, como o home-office para 100% do seu quadro administrativo, e a adoção de diversas outras medidas de proteção para as equipes que operam em campo.

A companhia não compactua com qualquer comportamento que coloque em risco a saúde de outras pessoas ou com atitudes que desrespeitem o trabalho e a dignidade de profissionais que atuam na prevenção e no controle da pandemia.

A TAESA tomou conhecimento do envolvimento de uma de suas empregadas em um caso de desrespeito às leis que visam reduzir o risco de contágio pelo novo coronavírus e compartilha a indignação da sociedade em relação a este lamentável episódio, sobretudo em um momento no qual o número de casos da doença segue em alta no Brasil e no mundo.

A TAESA ressalta que segue respeitando o isolamento e as mais rigorosas regras de prevenção ao coronavírus e que a empregada em questão desrespeitou a política vigente na empresa. Diante dos fatos expostos, a TAESA decidiu por sua imediata demissão.