Ausência de mulheres negras à frente da direção de sucessos da Globo levanta debate

A edição da revista Marie Claire deste fim de semana trouxe uma dura realidade a ser encarada na luta pela inclusão social. A conquista do espaço feminino em cargos de liderança é um marco a ser comemorado nos últimos anos. Entretanto, o que chama a atenção é a ausência de mulheres negras nestas ocupações.

A matéria da Marie Claire traz casos de sucesso envolvendo Joana Jabace, Luísa Lima, Dani Gleiser, Natalia Grimberg, Denise Saraceni, Monica Almeida, Maria de Médicis e Patricia Pedrosa. Todas brancas, entre 36 e 66 anos de idade, e bem sucedidas em seus cargos. A edição convida a conhecer uma por uma.

O movimento Potências Negras fez uma reflexão em sua página no Instagram: “A matéria da Marie Claire [“Mulheres no comando: Conheça as diretoras por trás dos maiores sucessos da Globo”] atesta que as mulheres negras são inexistentes nas áreas de poder da Globo. Elas não são chefes nas salas de roteiros, nem diretoras, tampouco diretoras artísticas, cargos historicamente ocupados por homens e brancos e, agora, reservados a um seleto grupo de mulheres brancas. Essa publicação nos faz acreditar que a revista Marie Claire, assim como a Globo, acham isso natural”, critica.

A publicação ainda lembra que a falta de inclusão não se limita à Globo, estendendo-se a outras emissoras de televisão pelo país.

Imagem: Instagram

Advertisement