TV Globo suspende parcela final do Campeonato Carioca. Em telejornais, emissora incentiva público a continuar pagando serviços

A Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro informou nesta quinta-feira (2), através de sua assessoria de imprensa, que a TV Globo não fará o pagamento da última parcela de pagamento do Campeonato Carioca como combinando. A competição acabaria em 19 de abril.

A decisão acontece por conta da paralisação do campeonato durante a pandemia do novo Coronavírus. O Carioca está paralisado desde 16 de março, atendendo as orientações da Organização Mundial de Saúde. Ainda não há uma previsão para retomada da competição.

O Sindicato dos Atletas do Rio reprovou a atitude, através de seu atual presidente, o técnico Alfredo Sampaio. Com os atrasos, os clubes terão dificuldades em manter os salários de atletas e funcionários.

“Péssima notícia! A preocupação é com todos os clubes, mas o impacto maior será, sem dúvida, nos clubes pequenos. Há jogadores que ganham pouco e dependem do contrato do Estadual para manter o sustento da família o ano inteiro. Eles receberam o último salário em fevereiro, referente a janeiro. Como vão viver sem receber fevereiro, março, abril, mais férias e, possivelmente, maio?”, questiona Sampaio.

Em nota, a Globo tenta justificar a paralisação dos pagamentos: “No caso dos Estaduais, a Globo pagou em alguns contratos 100% e em outros 75% dos valores referentes a esses campeonatos, mesmo com a entrega efetiva de 55% a 65% dos jogos. Alguns pagamentos foram realizados já com as partidas suspensas e precisamos buscar entre todos uma solução de equilíbrio que depende agora de uma revisão completa do calendário anual do futebol brasileiro”.

O curioso é que a emissora faz com o Estadual do Rio diferente do que orienta os telespectadores em seus telejornais locais.

Em recentes reportagens, o RJ1 e o Bom Dia Rio incentivaram o público a continuar realizando pagamentos de serviços interrompidos, caso de faxineiras, empregadas domésticas e academias – como pode ser assistido AQUI.

No material do link, uma especialista orienta que negociações com bom senso devem acontecer.

Apesar do discurso, para o futebol carioca, a prática, por ora, não vale.

GLOBO RESPONDE SOBRE PAGAMENTOS DE COTAS DO FUTEBOL

A crise causada pela pandemia do Coronavirus19, que está provocando adiamentos e cancelamentos nos calendários esportivos, faz com que todos os elos que compõem a cadeia produtiva do futebol precisem analisar seus modelos de negócio e renegociar seus compromissos: clubes, federações, empresas de mídia, anunciantes e patrocinadores, entre outros parceiros. Esta não é uma realidade exclusiva do Brasil, e ocorre também em demais competições e modalidades esportivas ao redor do mundo.

Faz parte deste processo a decisão da Globo reavaliar o pagamento de futuros vencimentos – em alguns casos a última parcela – de competições que foram interrompidas ou adiadas, e que ainda não têm data nem formato para voltar a acontecer. Cada caso está sendo tratado segundo suas especificidades. A Globo até o momento vem mantendo o pagamento dos clubes participantes do campeonato brasileiro série A, série B e Copa do Brasil. No caso dos Estaduais, a Globo pagou em alguns contratos 100% e em outros 75% dos valores referentes a esses campeonatos, mesmo com a entrega efetiva de 55% a 65% dos jogos. Alguns pagamentos foram realizados já com as partidas suspensas e precisamos buscar entre todos uma solução de equilíbrio que depende agora de uma revisão completa do calendário anual do futebol brasileiro.

Estamos discutindo diariamente, de maneira transparente e serena, formas de atravessar esse período difícil com todos os parceiros – anunciantes, clubes, federações e CBF – e temos a convicção de que juntos vamos encontrar os melhores caminhos. Até lá, estamos empenhados em soluções criativas que têm assegurado outros tipos de apoio ao futebol brasileiro, com a exposição dos clubes em todas as nossas plataformas, grades de programação e coberturas. Como parceiros de mídia do esporte, temos total interesse em achar um caminho que garanta competições fortes, equilibradas e competitivas.