Coronavírus: Imprensa é parceira da população e excesso de informação não é motivo de pânico

Sim, amigo internauta! Assusta bastante ouvir muita coisa ao mesmo tempo sobre a propagação do novo Coronavírus. Toda novidade precisa ser digerida, especialmente em algo que vem atingindo a aldeia global.

Na última década, a televisão aberta, em especial, ficou cada vez mais jornalística e voltada à prestação de serviço. O jornalismo local e as grandes coberturas nunca tiveram tanto espaço na televisão.

O novo Coronavírus mata menos que muitas doenças no Brasil, casos do sarampo, da dengue e da chikungunya. Mas a pandemia decretada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) faz com que todos nós estejamos atentos, a todo momento, ao que acontece na sua cidade, no seu estado, no Brasil e no mundo.

O público precisa, neste momento, é estar bem informado, ainda que repetidamente. A munição de notícias não pode ser motivo de uma apreensão maior do que a situação já pede. Informação é poder. Abasteça-se!

Também é preciso ficar de olho nos engraçadinhos que brincam com a boa vontade das pessoas em se informar com responsabilidade.

Pluralize sua busca na imprensa, seja na TV, na internet, no rádio ou no jornal. Cheque aquilo que parece novo e tenha muito cuidado com páginas não conhecidas e o que se recebe por WhatsApp.

Emissoras de TV por assinatura e sites de grandes jornais estão liberando seus conteúdos sem custo para abastecer a população de notícias que ajudam a saber como se comportar em um momento como esse.

Aliás, exercício que vale em qualquer época do ano. De pandemia ao pandemônio do noticiário cotidiano, aumentar o radar de informações é o caminho!