Éramos Seis: a morte de Carlos. Os últimos dias do primogênito de Lola

Os últimos dias de Carlos (Danilo Mesquita) prometem ser quentes e intensos em Éramos Seis. O filho mais velho de Lola (Glória Pires) vai morrer nos próximos capítulos.

Carlos está enfrentando um dilema com a irmã, Isabel (Giullia Buscacio). Tudo por conta do namoro da caçula com Felício (Paulo Rocha). O pretendente está em processo de divórcio e tem um filho com a primeira esposa, o que vai contra os costumes da década de 30.

Isabel e Felício não vão desistir da relação e isso incomoda Carlos. Para o novo chefe da família, isso é uma vergonha social e tira o sonho da mãe de levar a filha de branco ao altar. Irritado, Carlos dará um tapa na cara de Isabel, durante uma discussão da moça com Lola.

Marcelo (Guilherme Ferraz) dirá a Carlos que ele precisa conversar com seu tio. O bancário aceita, mas seu objetivo é insistir que o contador ponha um ponto final na relação com a irmã.

O encontro é marcado no escritório de Felício, local onde os integrantes do partido comunista se reúnem. Coincidentemente, no mesmo horário do compromisso de Carlos e Felício, os manifestantes agendam um encontro.

Além de Alfredo (Nicolas Prates), Lúcio (Jhona Burjack), Tião (Izak Dahora), Virgulino (Kiko Mascarenhas), Adelaide (Joana de Verona), Nero (Bernardo Dugin) e, acreditem, até mesmo Afonso (Cássio Gabus Mendes) estarão na reunião de manifestantes. Carlos, que não aprova o grupo, vai em direção ao local sem saber que eles estão por lá.

A MORTE DE CARLOS

De repente, no meio do encontro, a polícia invade o local a tiros. O alvo das autoridades é o grupo comunista, que é desaprovado pelo governo de Getúlio Vargas.

Ao atravessar a rua, Carlos ouve os tiros e tenta ajudar um homem. Neste momento, ele cai no chão. Ao levantar, o primogênito é atingido por diversos tiros. Após a dispersão dos populares, Carlos é levado ao hospital com ferimentos graves.

No SBT, a morte do mocinho representou a maior audiência da versão (1994): média de 20 pontos. Se a Globo conseguir o feito, a cena pode ajudar a elevar o público das seis, que vem abaixo das expectativas da emissora.

O início das cenas da morte de Carlos está agendado para esta semana, a partir de 5 de fevereiro.

Imagem: Reprodução TV