Acabou o repasse! Prefeitura do Rio anuncia fim de verbas às escolas de samba do Grupo Especial

Quando olharem para o desfile das escolas de samba do Grupo Especial em 2020, uma coisa todos poderão ter certeza. Ali, no meio da maior festa cultural da cidade, não haverá um centavo investido pelo poder público municipal.

A Riotur comunicou a decisão nesta sexta-feira (30), através do seu presidente, Marcelo Alves. Em 2019, as escolas receberam o valor de R$ 500 mil, cada. Em 2016, por exemplo, a cota paga foi de R$ 2 milhões por agremiação. Uma redução de 150% em três anos.

O Prefeito Marcelo Crivella falou do assunto à imprensa e definiu que eventos que tenham cobrança de ingressos não terão mais investimentos. A medida atinge diretamente as escolas de samba.

“As escolas do Grupo Especial não vão mais receber subvenção da prefeitura, que decidiu que não vai dar mais subvenção para nenhum evento que cobre ingresso. Então permanece o réveillon, permanece o carnaval de rua da Intendente Magalhães, permanecem outros eventos da cidade. Mas os que cobram ingresso, como o Rock in Rio, o carnaval da Sapucaí e outros que têm renda, esses não vão receber mais subsídios da prefeitura

Marcelo Crivella

CARNAVAL DE RUA

Apesar dos desfiles da Sapucaí não receberem os incentivos, o Carnaval de rua está garantido. Os desfiles da Intendente Magalhães seguem com os repasses financeiros, com R$ 2 milhões. A estrutura para os blocos carnavalescos também está garantida, embora a Riotur já tenha definido que enxugará o número de blocos. A festa de rua receberá R$ 27 milhões.

Estado e União podem repassar subverções com dinheiro público para a festa popular, mas nada está garantido. O dinheiro viria de leis de incentivo à cultura.

Crivella também informou que seguem as conversas sobre o repasse administrativo do Sambódromo do Rio para o Governo do Estado: ” O governador disse que teria interesse em fazer o carnaval do Sambódromo. Eu acho bom. Porque o carnaval traz para a cidade muitos turistas que vão se hospedar”, afirmou.