Crítica: Maisa Silva precisa pesquisar mais sobre as pautas do seu programa

O ‘Programa da Maisa’ é, sem dúvida, um formato quase sempre agradável nas tardes de sábado do SBT. Entretanto, só espontaneidade não basta. É preciso mostrar que se está por dentro do conteúdo.

Com linguagem jovem, colorida e alto-astral, a apresentadora conseguiu trazer à TV aberta um conteúdo diferente do que se vem produzido. Trabalho e ideia perfeitos de Maisa e da equipe de produção do SBT. Só que alguns ajustes precisam ser feitos. Um deles, de imediato.

Pelo menos em duas oportunidades duas “gafes” foram cometidas pela menina. Na primeira, Maisa mostrou total espanto ao ver Belo dentro da Banheira do Gugu. Ok, a gente sabe que Maisa tem 17 anos e sequer pode ver, ao vivo, o quadro trash dos anos 90.

Tão pouco sabia que aquilo era mostrado no SBT, emissora onde trabalha: “Onde que era isso?!… O que que tá acontecendo?”, disse ao ver a disputa dos sabonetes. Confira a partir de 36:40.

MAISA COM BELO E GRACYANNE

Só que tudo que se vai ao ar é pautado previamente pelo staff que atende a apresentadora – ou pelo menos, deveria. O não conhecimento de algumas informações pode parecer engraçado em um primeiro momento. Olhando melhor, pode soar ainda que o “dever de casa” não foi feito de forma completa. A política do só “seja você mesma” não dá.

O mesmo voltou a acontecer ontem (3), quando Maisa ficou incrédula ao saber que Jean Wylls, ex-deputado federal, tinha participado do BBB. Precisou Pedro Bial ir ao sofá de seu programa para “startar” seu F5.

Sem timidez nenhuma, ela ainda revelou que descobriu, há pouco, que Sabrina Satto também tinha passado pelo reality da Globo.

E, vamos concordar: Maisa não precisa de muito para tomar conhecimento do básico. Obviamente, não precisa saber de tudo. Mas já que se habilita a ter um quadro com imagens do passado, o ‘SubMaísa’, não custa nada dar um ‘Google’ e um ‘Youtube’ para, ao menos, não pagar de desinformada.

Ou então, alguém da produção conta para a menina.

Fica a dica.