Opinião: Sem pensar na estratégia de divulgação, Globo erra ao não repassar a Copa América para Band

Dentro de suas possibilidades, a Band tem feito seu café com leite pelo esporte. Conseguiu nos últimos dias exibir os seis jogos finais da NBA e focar no futebol. Em parceria com a Globo, adquiriu os direitos da Copa do Mundo de Futebol Feminino e Masculino (categoria sub 20). Entretanto, o mesmo não ocorreu com a Copa América.

Não pela falta de vontade da Band. O valor de mercado pedido pelo Grupo Globo, na faixa de R$ 20 milhões, é um investimento que o canal do Morumbi não tem condições de arcar no momento. A ordem na emissora é enxugar custos, já que a crise financeira do país vem atingindo a sua linha de produção.

A verdade é que a Copa América ainda não pegou. Além de ser um torneio com poucos craques internacionais, a ausência de Neymar e seu escândalo com um suposto estupro deixaram o torneio ainda mais de lado. É bem capaz que os brasileiros entrem na onda fase mata-mata. A essa altura restarão as grandes seleções e a expectativa por um jogo Brasil x Argentina será grande.

Com uma grade de entretenimento e jornalismo negociadas comercialmente, dificilmente a Globo derrubará sua programação para atender os jogos da primeira fase da Copa América. Como exemplo, a estreia da Argentina contra o Colômbia, um dos bons jogos da primeira fase, ficou de fora. Tudo para não atrapalhar os bons índices de audiência de ‘Verão 90’.

Já a Band, com horários bem mais “livres”, teria condições de levar à TV aberta a competição. Sem dúvidas, esta parceria renderia alguns pontos no Ibope – que não fariam falta à Globo – e ajudaria, sim, a divulgar e fazer a Copa América a cair ainda mais no gosto popular.

Como comparativo, basta ver os índices das Ligas dos Campeões na temporada 2018/2019. Segundo dados estatísticos, o torneio perdeu 400% de público relativo a 2017/2018, quando justamente Band e Globo exibiram o maior torneio de futebol de clubes do mundo. Na última exibição, apenas Esporte Interativo e Facebook fizeram as exibições.

Se a parceria para a Copa América Globo-Band fosse realizada, certamente ganhariam todos: as emissoras, o mercado publicitário e, especialmente, o grande público.