Em 16 horas de cobertura das chuvas no Rio, Pedro Figueiredo se destaca na TV Globo

Em meio a um cenário de caos visto na última segunda-feira (8) no Rio de Janeiro, um nome chamou a atenção de quem acompanhava a cobertura das chuvas na TV Globo. Trata-se de Pedro Figueiredo.

Já conhecido do público local, Pedro esteve à frente de praticamente toda a jornada da Globo, em 16 horas ininterruptas de prestação de serviço local para o Rio de Janeiro.

O jovem jornalista foi um dos primeiros a fazer entradas ao vivo do Jardim Botânico, na zona sul da cidade. Com água no joelho e de galochas, Pedro foi ver de perto todo o drama de pedestres e motoristas que tentavam trafegar pela rua Pacheco Leão. Ao lado dos cariocas, viveu o drama de resgates de crianças e adultos ilhados em ônibus e carros.

Não bastasse a noite de cão na zona sul, logo cedo, dentro do ‘Bom Dia Rio’, lá estava Pedro Figueiredo de capa, galochas e microfone na mão para mostrar o dia seguinte da chuvarada. E pela zona sul ele ficou até as 19h36, quando a Globo encerrou sua super maratona das fortes chuvas da cidade – com registro de 330 mm de água, a maior, desde 1997.

A intensa jornada de Pedro chamou a atenção dos internautas, que não se conformavam em ver o rapaz ensopado em diversas entradas ao vivo na TV. Tanto que ele foi “carinhosamente” chamado de “estagiário”, tamanha carga de trabalho. Calma! Pedro é um grande repórter. Dos bons, com futuro promissor na TV Globo.

Pedro está na emissora desde 2014, atuando, primeiramente, na linha de produção do jornalismo. Dois anos mais tarde, chegou ao time de reportagem da editoria Rio para reforçar a cobertura para a Olimpíada Rio 2016.

Sua grande aparição em rede foi em Barcelona, em 2017. O jornalista estava de férias na Catalunha quando coincidentemente um ataque terrorista matou 13 pessoas. Mesmo em período de descanso, obedeceu a cartilha de um grande jornalista: com microfone e câmera na mala, fez entradas para os jornais em rede da Globo.

Nas redes sociais, Pedro leva a vida como um carioca simples e comum pela cidade. Publica coisas de seu trabalho, diversão no Carnaval e os passeios com o marido Erick Rianelli, também repórter da TV Globo. Erick também saiu recentemente da linha de produção do jornalismo da Globo para ser mais um rosto conhecido da rede carioca.

Embora nunca tenha contado publicamente, Pedro tem um sonho. Ainda adolescente, confidenciava a amigos do CEFET (IFRJ, atual) que se inspirava em William Bonner para quem sabe, um dia, chegar à bancada do ‘Jornal Nacional’. Talento e capacidade, ele já mostrou ter de sobra. O tempo é o senhor da resposta.