Escolas de samba recorrem à Lei Rouanet e conseguem verbas para o desfile

Em meio à crise do Carnaval do Rio de Janeiro, as escolas de samba estão fazendo das tripas coração para conseguir verbas para garantir os desfiles. Algumas delas recorreram à polêmica Lei Rouanet.

Segundo informações do site SRzd, no grupo especial, a Grande Rio e a Vila Isabel foram as primeiras a capitalizar. A escola de Duque de Caxias, que trará o enredo que falará sobre educação, conseguiu o aporte de R$ 1,5 milhão, através de parceria com a Universidade Estácio de Sá.

Já a Vila Isabel capitalizou R$ 110 mil, só que de maneira, digamos, mais suada. Diversas empresas ajudaram com valores mais simbólicos, onde totalizaram o valor citado: Agro Unioni (R$ 10 mil), Águas das Agulhas Negras (R$ 15 mil), Águas de Nova Friburgo (R$ 20 mil), Águas de Votorantim (R$ 50 mil) e Dublin MG Participações (R$ 15 mil).

A LIESA também conseguiu reunir R$ 600 mil através da Lei Rouanet para realizar os ensaios técnicos. Entretanto, o valor é insuficiente para garantir a grande festa popular, com entrada livre.

Com SRzd Carnaval