Série A também vive seu drama às vésperas do Carnaval

Se a coisa anda feia no Grupo Especial do Rio de Janeiro, as escolas da Série A também vêm sofrendo na reta final do planejamento para o Carnaval.

Treze escolas de samba vão desfilar na Sapucaí, entre os dias 1 e 2 de março. O dinheiro vindo da Prefeitura, mais uma vez, não deve ajudar muito. Apenas R$ 7 milhões serão repassados e, se não bastasse o valor abaixo dos últimos anos, a verba terá que ser dividida com o desfile da Intendente Magalhães.

Segundo informações da Secretaria da Casa Civil, o dinheiro chegará às agremiações em janeiro. A demora ficou por conta da prioridade do pagamento do 13º salários dos funcionários municipais.

“A prefeitura tem R$ 7 milhões separados para o Carnaval da Série A e Intendente Magalhães desde a última semana, após o pagamento do 13º e as contas da saúde”

Paulo Messina, secretário da Casa Civil da Prefeitura do Rio

Apesar do discurso, o RJ1 fez denúncias na última quinta-feira (27) mostrando a falta de ambulâncias em hospitais municipais. Segundo a reportagem, os repasses em atrasos da Prefeitura vêm atravancando os pagamentos da empresa que terceiriza o serviço. Funcionários que fazem a operação do transporte afirmam estar com três meses de salários em atraso e trabalhando com equipamentos sucateados.

O atraso nos repasses às escolas da Série A estão com a confecção de fantasias em atraso. Com tantas pendências, ainda não há uma data de início confirmada para o início das vendas das arquibancadas.