Samba da Imperatriz sobre 200 anos do Museu Nacional dizia: “Relembrou aqueles dias que não voltarão jamais”

Os 200 anos do Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, comemorado em julho de 2018, foram ecoados pela Imperatriz Leopoldinense no Carnaval deste ano.

O triste incêndio que comoveu todo o país na noite deste domingo, 2, acabou com mais de 20 milhões de peças do acervo da história nacional e da humanidade.

Uma das estrofes do samba parece descrever o atual momento: “Relembrou aqueles dias que não voltarão jamais”

Confira a letra:

Gira coroa da majestade
Samba de verdade, identidade cultural
Imperatriz é o relicário
No bicentenário do Museu Nacional

Onde a musa inspira a poesia
A cultura irradia o cantar da Imperatriz
É um palácio, emoldura a beleza
Abrigou a realeza, patrimônio é raiz
Que germinou e floresceu na colina
A obra-prima viu o meu Brasil nascer
No anoitecer dizem que tudo ganha vida
Paisagem colorida deslumbrante de viver
Bailam meteoros e planetas

Dinossauros, borboletas
Brilham os cristais
O canto da cigarra em sintonia
Relembrou aqueles dias que não voltarão jamais

Voa tiê, tucano e arara
Quero-quero ver onça pintada
Os tambores ressoaram, era um ritual de fé
Para o rei de Daomé
Para o rei de Daomé

A brisa me levou para o Egito
Onde um solfejo lindo da cantora de Amon
Ecoa sob a lua e o sereno
Perfumando a deusa vênus sem jamais sair do tom
Marajó, Carajá, Bororó
Em cada canto um herdeiro de Luzia
Flautas de chimus e incas
Sopram pelas grimpas linda melodia
A luz dourada do amanhecer
As princesas deixam o jardim
Os portões se abrem pro lazer
Pipas ganham ares
Encontros populares
Decretam que a Quinta é pra você

Advertisement